Todos os hinos do RS

Posted by Antonio Mauro Javimczik under

Hino Nacional da República Rio-Grandense

Nobre povo rio-grandense,

Povo de heróis, povo bravo!

Conquistaste a independência

Nunca mais serás escravo.


Da gostosa liberdade

Brilha entre nós o clarão;

Da Constância e da Coragem,

Eis aqui o galardão.



Avante, ó povo brioso!

Nunca mais retrogradar

Porque atrás fica o inferno

Que vós há de sepultar


Da gostosa liberdade

Brilha entre nós o clarão;

Da Constância e da Coragem,

Eis aqui o galardão.


O majestoso progresso

É preceito divinal;

Não tem melhor garantia

Nossa ordem social


Da gostosa liberdade

Brilha entre nós o clarão;

Da Constância e da Coragem,

Eis aqui o galardão.


O mundo que nos contempla,

Que pesa nossas ações

Bendirá nossos esforços

Cantará nossos brasões


Da gostosa liberdade

Brilha entre nós o clarão;

Da Constância e da Coragem,

Eis aqui o galardão.


Este hino foi cantado pela primeira vez na tarde do dia 30 de Abril de 1839.


Havia, em Caçapava, capital da República, um sarau em comemoração à Tomada de Rio Pardo, ocorrida um ano antes. Era de praxe que ao início de uma comemoração oficial fosse executado o hino nacional. Estavam presentes as maiores expressões nacionais.


Cinco dias depois, 4 de Maio, saiu publicado no jornal O Povo, órgão oficial da República Rio-grandense, notícia daquelas comemorações, incluindo a letra deste Hino Nacional.


É preciso atentar que os dois últimos versos da segunda estrofe saiu publicado com a seguinte grafia:


"Porque atrás fica o inferno

Que vos há de sepultar".


Lendo desta forma observamos um sentido errôneo. Pois parece que o desejo do autor era que o "inferno" (ou seja, o império) que ficara para trás haveria, por fim, de os matar e sepultar. Colocando um acento na palavra "vós", então, compreendemos a verdadeira e boa intenção do autor em celebrar que tal inferno, além de ficar para trás, será devidamente enterrado e esquecido pelos cidadãos da nova República, mais condizente com o restante da letra.


Este hino acima, já foi resultado de uma modificação à letra original escrita por Serafim Joaquim de Alencastre, Chefe do Estado Maior do Exército. O estribilho ficou o mesmo. As mudanças são creditadas à Domingos José de Almeida, porém, sem comprovação histórica.



A letra de Alencastre era assim:


No horizonte Rio-grandense

Se divisa a divindade,

extasiada em prazer,

Dando viva à liberdade.


Estribilho


Avante, ó povo brioso,

nunca mais retrogradar.

Porque atrás fica o abismo

Que ameaça nos tragar.


Estribilho


Salve, ó Vinte de Setembro,

Dia grato e soberano,

Aos heróis continentistas,

Ao povo republicano.


Estribilho


Salve ó dia venturoso,

Risonho Trinta de Abril,

Que aos corações patriotas,

Enchestes de glórias mil



O "Trinta de Abril" é referência à data da Tomada de Rio Pardo (30/04/1838), acontecimento responsável pela prisão do maestro Mendanha, que compôs a música do Hino. Assim, ironicamente, Mendanha compõem um Hino, ao inimigo, que fala do acontecimento de sua prisão! Este primeiro hino foi executado ainda em Rio Pardo, com as vencedoras tropas republicanas perfiladas, apenas 5 dias após à Tomada.



A letra hoje conhecida do hino do Rio Grande do Sul, foi composta por Francisco Pinto da Fontoura, o Chiquinho da Vovó, originalmente com esta feitura:


Como a aurora precursora

Do farol da divindade,

Foi o Vinte de Setembro

O precursor da liberdade


Mostremos valor constância

Nesta ímpia e injusta guerra;

Sirvam nossas façanhas

De modelo à toda terra.



Entre nós, reviva Atenas,

Para assombro dos tiranos.

Sejamos Gregos na glória,

E na virtude, Romanos.


Mostremos valor constância

Nesta ímpia e injusta guerra;

Sirvam nossas façanhas

De modelo à toda terra.


Mas não basta prá ser livre

Ser forte aguerrido e bravo

Povo que não tem virtude

Acaba por ser escravo.


Mostremos valor constância

Nesta ímpia e injusta guerra;

Sirvam nossas façanhas

De modelo à toda terra.




Como vemos, uma letra bem mais suave e condizente à nossa atual situação de "agregados" ao Brasil. A referência à "injustiça" da guerra é exemplar! A estrofe em negrito fora retirada do nosso hino, por decisão federal, durante o período do governo militar. Talvez não tenham gostado do sentido belicoso da "virtude romana"...



Ainda com relação ao nosso atual Hino, vale comentar a importância de sua primeira estrofe. Ela só foi poupada do "corte" da censura pelo entendimento tênue de que a revolta iniciada em Vinte de Setembro, tenha sido a "aurora precursora" da república brasileira, em Novembro de 1889. Uma aurora de 34 anos!



Mas nós, gaúchos de coração e espírito, sabemos: O Vinte de Setembro, uma revolta armada liderada por estancieiros descontentes, foi o início de um movimento que culminou com a Proclamação da República Rio-grandense, em 11/09/1836, nosso verdadeiro "farol da liberdade"!



Hoje apagado, sim, mas, cremos, temporariamente!



De qualquer forma, para aquele que acredita que nossa querida República Rio-grandense não morreu, mas sobrevive sob os escombros do atual "império" brasileiro, o Hino legítimo, e insubstituível, de nossa República ainda é aquele que diz:


Nobre povo rio-grandense,

Povo de heróis, povo bravo!

Conquistaste a independência

Nunca mais serás escravo.

Posts Relacionados



Compare Produtos, Lojas e Preços